Resíduos Químicos

Resíduos contendo substâncias químicas que podem apresentar risco à saúde pública ou ao meio ambiente, dependendo de suas características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade e toxicidade. Exemplos:

  • Glutaraldeído,
  • Frascos com sobras de medicamentos hormonais, antimicrobianos;
  • Formol,
  • Solventes clorados,
  • Cartucho de tinta de impressora,
  • Lâmpadas (mercúrio),
  • Drogas quimioterápicas e antineoplásicas, produtos e resíduos por elas contaminados, solventes orgânicos,
  • Vidros vazios (éter, álcool, medicamentos).

Procedimentos para coleta na Escola de Veterinária

A coleta dos resíduos químicos perigosos deve ser agendada diretamente com o pessoal da Gerência de Resíduos da Escola sempre que os volumes dos recipientes/bombonas atingirem 2/3 de sua capacidade.  Os resíduos serão armazenados temporariamente em abrigo intermediário até à coleta pela empresa responsável pelo transporte, tratamento por incineração e disposição final dos rejeitos em aterro sanitário. Normalmente a empresa realiza três coletas anuais, conforme agendamento pelo Departamento de Gestão Ambiental.

Os resíduos químicos perigosos devem ser identificados com etiquetas e inventariados para serem coletados. O inventário deve ser enviado por email para o pessoal da Gerência de Resíduos, que agendará a coleta junto ao Gerador após conferência das condições de acondicionamento e identificação. Acesse aqui modelo de etiquetas e modelo de Inventário (fazer download e preencher).

A segregação dos resíduos químicos deve ser uma atividade diária dos laboratórios, realizada após o término de cada expediente ou procedimento de rotina seguindo os seguintes passos, conforme POPs/protocolos que seguem:

– Acondicionamento de resíduos químicos das Unidades Geradoras: traz informações sobre o acondicionamento de resíduos químicos das Unidades da UFMG, por meio da padronização do tipo, material, cor, dimensões e outras especificações das embalagens internas e externas de resíduos químicos, dentre outras informações;

– Manejo de Embalagens Vazias de Resíduos Químicos das Unidades Geradoras: estabelece as bases normativas para o manejo de embalagens vazias de resíduos químicos gerados nas diversas unidades da UFMG por meio da segregação na fonte, processamento e destinação final ambientalmente adequada, incluindo a reutilização interna e sua reciclagem por meio da participação no Programa Nacional de Coleta Seletiva Solidária e o tratamento e disposição final externa das embalagens vazias com maior periculosidade.

– Descarte Interno de Resíduos Perigosos de Baixa Periculosidade: estabelece as bases normativas para o descarte seguro de resíduos químicos não perigosos ou de baixa periculosidade das unidades geradoras da UFMG no abrigo de resíduos comuns e no sistema público de esgotamento sanitário;

– Inventário de Resíduos Químicos Perigosos das Unidades Geradoras: traz as informações para a identificação dos resíduos químicos perigosos gerados na UFMG, de forma a viabilizar não só o rastreamento da origem da geração destes resíduos, mas também criar condições para realizar diagnósticos sobre a evolução da natureza, periculosidade e quantidade de resíduos perigosos gerados na Universidade e possibilitar um acompanhamento e intervenção nos processos de geração e de destinação final dos resíduos químicos perigosos; e, por fim, produzir dados para a rotulagem e o preparo de documentação obrigatória para o transporte rodoviário dos resíduos químicos para fins de tratamento e disposição final externa.

Outros materiais de apoio:

FISPQs de produtos mais frequentemente utilizados em laboratório: (1) e (2)

Resolução da ANTT para transporte de resíduos perigosos

Anúncios